terça-feira, 31 de outubro de 2017

500 ANOS DE HISTÓRIA: a Reforma mudou a igreja?


Fixadas a porta da igreja do Castelo de Winttenberg as 95 teses que divergiam da ICR, Lutero não cogitava que 500 anos depois a igreja careceria de ser olhada pelos mesmos ângulos das intransigências teológicas que foram acometidas em seu tempo. Monge, da ordem agostiniana, serviu a Igreja Católica Apostólica Romana no século XVI, após ter passado por uma experiência reveladora na Saxônia que o conduziria ao ministério sacerdotal. Sua vida foi dedicada em esclarecer as verdades bíblicas no que diz respeito â salvação por meio da fé, quando detectou que a Sé vilipendiava a crença do povo. “...poenitentiam agite” (fazei obras),   em substituição a “...metanoite(arrependei-vos),  Mt. 4:17. Subjugados a força do argumento de um homem destinado a lutar  por suas convicções cristãs, o Papado e Roma presenciaram os novos rumos que a igreja seguiria ao ver a hegemonia Católica Apostólica Romana esfacelar com as respostas à luz da Palavra que o povo ouviria no social-político-religioso e não mais nas dogmáticas do colegiado e dos  interesses do poder institucional. Isto foi a  Re-forma.
De fato, grandes mudanças conduzem na maioria das vezes a conflitos e cisões por interesses partidários. Não foi o caso de Lutero! Sua luta era pela distorção da mensagem (obras = salvação). Não trazia, em seu coração ardente, o cunho de uma nova gênesis denominacional, muito menos mais uma teologia que se cercasse do descompromisso com o social e a fé das pessoas. Para Lutero, a relevância de sua luta limitava-se em despertar a fidelidade e a responsabilidade que deveria o clero ter em primar pelas verdades da revelação divina (fé = salvação) que deveriam ser proclamadas ao povo. Os desdobramentos, daí por diante que a igreja alcançaria, seriam outro momento revolucionário por romper com “modus operandi” institucional e se volver para a “Opus Dei” no meio do povo.
Mas o que estes 500 anos de Reforma nos ensina além da preocupação com a manutenção da verdade? Vejo que ela chama atenção para as evidências dos valores éticos que devem se evidenciados na vida de um cristão e principalmente daquele que almeja o sacerdócio. Lutero apresentou características primaz no seu compromisso com  Deus e na sua conduta ministerial. Vejamos:

 Lutero era um homem destemido. Como todo aquele que defende a verdade, sua vida fica à deriva de morte por conduzir aos “renegados da fé” a “sola scriptura” a “sola fide” que distintamente se viam excluídos do Reino dos Céus e submetidos ao Reino dos homens na obrigatoriedade de participarem com seus méritos. Romper com a inverdade é a capacidade de poucos, porque isto alavanca a romper com o “status quo” e com a “zona de conforto” da institucionalização. Lutero foi de valor destemido por desejar compartilhar a fé aos seus semelhantes, ainda que isto o levasse a perder o seu prestígio no meio dos homens.
Lutero era um homem preocupado com seu chamado . Pode se dizer que Lutero foi um dos primar pela exegese do texto e consecutivamente por uma homilia sadia que expressasse a hermenêutica correta, ou seja, a de nenhuma contribuição do ser mortal no plano salvífico de Deus, mas da pura aceitação da graça divina meritória somente a Cristo Jesus.
A pregação exegética da Palavra de Deus deve ser a missão irrevogável de cada pregador. Se atentarmos bem, este foi o fator que trouxe mudanças acentuadas na mensagem de salvação, de maneira que, não só produziu o surgimento de várias igrejas, como também acionou o dispositivo da proclamação ao mundo de um Deus que salvou a humanidade fora dos dogmas e opressões exercidas por uma má condução da verdade. Mutações teológicas na igreja serão sempre um dispositivo que se terá que ter cuidado – isto já era preocupação do apóstolo Paulo (contra a filosofia helênica, misticismo, legalismo judaico, asceticismo), Judas (contra as heresias que corroíam a fé) e João (contra o pré-gnosticismo). O que a igreja hoje precisa para ser edificada? De pregadores que se comprometam em pregar a verdade de maneira a expor a verdade bíblica  - isto é assumir um compromisso com o seu chamado e com Deus.
Lutero era um homem comprometido com a expansão do Reino. O tempo correu e a igreja floriu! Denominações surgiram em vários lugares (das que vieram das tradições as que romperam com elas), bem como às múltiplas matizes teológicas (da ortodoxia ao neopentecostalismo) se enfronharam no avanço da mensagem de salvação na Europa, Américas, Ásia, África e Oceania como desdobramento da Reforma. Porém, o alvo eterno, que a Reforma de Lutero nos legou, não foi à relevância da expansão denominacional ou a detenção que cada um fez ou faz da particular interpretação das Sagradas Escrituras. Não! Foi a de conduzir o povo de todas as línguas e raças a compreenderem a um Cristo que veio instaurar o Reino de Deus e não o reino de homens. De aceitar um Cristo de só uma mensagem (arrependei-vos) e não das interpolações, deduções e interpretações humanas que caracterizam a manutenção, a exclusividade e detenção de verdades dogmatizadas, principalmente as que vemos hoje. A mensagem do Reino é aquela que conduziu, por meio da fé, muitos à glória eterna e, que nesta história ainda mantém muitos na permanência do exercício de sua total dependência de Deus e do Reino como exercício da fé e do alvo das bênçãos celestiais respectivamente.
Lutero um homem comprometido com a verdade. A história da reforma não traz consigo somente os bons ventos. Esta jornada também carrega as tempestades que levam aos desvios heréticos dos fundamentos estabelecidos na Palavra de Deus à Sua Igreja. A decadência moral, os interesses pelo poder eclesiástico, o merchandising na preservação e propagação filosófica de ministério, a teologia antropocêntrica e o humanismo, não são linhas de pensamentos, experimentados no contexto das igrejas evangélicas na atualidade? Não são evidências paralelas aos dias de Lutero? O reformador não somente atacou uma proclamação “fasum” como também se opôs a estas distorções cultivadas no meio do sacerdócio em nome de uma religião de Deus e que, infelizmente é presente em boa parte das igrejas do século XXI. Quando Paulo escreve a carta aos Efésios, escreve um “verum” manual eclesiológico fundamentando a doutrina e a prática cristã como as essências da composição da igreja planificada por Deus na eternidade. O pensamento é claro! Combater as distorções teológicas e práticas que se efetivavam na vida da igreja naquele século e nos vindouros. Que o nosso compromisso seja com à verdade mais do que somente proclamação, mas rompimento com tudo  que a fere.

Concluindo: a Reforma completa meio milênio. Então é hora de repensar que tipos de reformas carecem serem feitas em nossas igrejas do século XXI? Talvez começar por quais qualificações (dons e caráter) ao se indicar alguém para o ministério no meio de nossas igrejas; trazer em pauta a discussão sobre o que é Reino de Deus e reino humano denominacional, na atual conjuntura social. Retomar os princípios da pregação exegética como prioridade de compromisso do chamado, no propósito único e exclusivo de pregar a verdade e edificar o Corpo de Cristo aviltado por uma cosmovisão religiosa que se nutre das diversas teologias da satisfação do eu.
Sola fide, Sola Scriptura, Solus Christus, Sola Gratia, Soli Deo Gloria. 
Que Deus nos abençoe e nos ajude!
 Amém!
31 de outubro de 2017
Eduardo R. da Silva